Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Foco nos estudos – Como acabar com a falta de concentração

Muitos questionam se é possível manter o foco nos estudos sem a utilização de remédios ou estimulantes para tal fim. Evidentemente que a resposta é sim. Na verdade, os remédios serão usados somente em último caso, como em diagnósticos de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, TDAH, por exemplo.

Por vezes, os estudantes possuem distrações, estresse, problemas pessoais ou o próprio exagero dos estudos ao ponto de sobrecarregar seu próprio corpo. Todos esses fatores podem influenciar o rendimento da aprendizagem, fazendo com que você se perca em meio ao próprio estudo.

Em outras palavras, você precisa rever suas estratégias de estudo em busca de equilíbrio. Desta forma, poderá potencializar a produtividade com um menor gasto de energia. E é isso que veremos neste artigo.

Como manter o foco nos estudos

Nada do que for dito aqui será inventado. As estratégias a seguir têm como ponto central utilizar o ciclo de motivação natural do estudante, dispensando o uso de outros estimulantes, como remédios, por exemplo.

Ou seja, é uma estrutura que você vai criar para que seu cérebro entenda a necessidade do seu foco e concentração durante esse processo de estudos – independentemente se o estudo durar 1, 2, 3 ou dez horas.

Abaixo você vai começar a entender a importância desse processo, que no começo pode até parecer besteira.

Ativação ou Priming

Também chamada de “priming“, a ativação corresponde à criação do ambiente e rotina de estudo responsáveis por provocar o desejo de iniciar os estudos.

Tecnicamente, corresponde ao poder que o evento anterior pode proporcionar a um evento seguinte.

Mesmo que o trabalho seja simples e pequeno, pode ser que a pessoa encontre dificuldades para se motivar e iniciar seu desenvolvimento. Uma das principais razões para que isso ocorra é o chamado “priming negativo”. Diante da procrastinação iniciada, os padrões de pensamento são diretamente influenciados acarretando uma barreira que impede a motivação.

Da mesma forma que o “priming negativo” interfere inibindo o impulso para o início do trabalho, o “priming positivo” pode perfeitamente criar uma dinâmica para execução ideal.

O planejamento das associações e do ambiente podem acarretar um impulso no ânimo, levando ao aumento da produtividade e foco com um esforço menor.

Portanto, há formas de se utilizar o “priming” de forma favorável e você verá o passo a passo abaixo.

Tenha um bom lugar para estudar

lugar bagunçado atrapalha o foco

Já imaginou estudar em um lugar como esse da foto acima? É praticamente impossível. Automaticamente seu cérebro envia impulsos de rejeição para que você saia o mais rápido possível desse lugar.

Em contrapartida, veja como esse local da imagem abaixo passa uma sensação de bem-estar e alívio.

cantinho de estudos para concentração

O local deve ter luminosidade apropriada para não forçar sua visão, sem barulhos e ser bem arejado.

Entretanto, se você não tiver um espaço assim em sua casa, o ideal é procurar uma biblioteca pública, onde é exigido o silêncio e existe um ambiente mais apropriado aos estudos.

Isso é o “priming” positivo. Ou seja, um bom local para estudar vai proporcionar um estudo com mais qualidade.

Cuide da sua postura

Esse tópico poderia até fazer parte do anterior, afinal uma boa cadeira deve fazer parte do seu cantinho de estudos.

Estar em uma cadeira desconfortável atrapalha muito o foco nos estudos. Não dá para estudar corretamente se você não mantiver a postura correta para isso.

Portanto, você deve estar sentado, com a coluna no lugar, o corpo ereto, joelho dobrado a 90 graus sem forçar qualquer músculo, como na foto abaixo ou no artigo sobre como melhorar a postura para estudar.

como melhorar a postura para estudar

Para manter o foco nos estudos, o corpo precisa estar relaxado, não o cérebro.

Não fique deitado, seja no sofá ou na cama, ou relaxado numa poltrona. Isso vai acabar dando sono, e você não irá aproveitar o que está estudando.

A alimentação tem influência no foco

Para muitos é bobagem, mas se você tem o hábito de comer uma macarronada ou uma feijoada antes de estudar, isso pode ser um grande empecilho.

Portanto, ao se preparar para sua sessão de estudos, busque comer alimentos leves e que não vão causar sonolência. 

Um dos maiores problema associado à dificuldade para manter o foco nos estudos são os pratos pesados ou uma alimentação deficiente. Nesse caso, opte por pratos ricos em fibra e com menores taxas de gordura.

Foco no pós “priming”

Vencida a etapa do “priming”, ou seja, organização anterior aos estudos, chegou a hora de aprender o que deve ser feito na hora que estiver estudando.

Trabalho ativo

As tarefas ativas requerem um esforço bem maior se comparadas às passivas. Portanto, é bem mais fácil manter o foco nos estudos, por exemplo, na escrita ao invés da leitura.

Assim, as tarefas passivas se caracterizam por serem aquelas que exigem uma maior observação, enquanto que as ativas envolvem ação.

Daí vem o fato de a maioria dos alunos passivos enfrentarem bastante dificuldade de concentração para estudar depois de 1 hora.

Portanto, para que o desempenho melhore, é primordial que essas atividades passivas sejam convertidas em ativas.

No que tange aos estudos, essa conversão da atividade passiva de leitura pode ser convertida em ativa de forma fácil.

Por exemplo, realizar leitura em voz alta ou fazendo registros das próprias observações e percepções da aula ou videoaula pode ajudar.

Aproveite seu próprio ritmo

Cada pessoa é mais ativa em um período do dia e nem todos são iguais. Há pessoas que aproveitam mais a manhã: são os matutinos. Outros, à tarde ou à noite, que são os vespertinos e noturnos.

Você deve conhecer o seu ritmo biológico e aproveitá-lo.

Isso é um fato natural que você deve fazer trabalhar ao seu favor, sabendo que nesse período em que está mais ativo será mais fácil se concentrar.

Parada para distração

Ainda falando sobre o ritmo individual de cada estudante, é necessário e estratégico que se façam pequenos intervalos entre os longos períodos de estudo.

Um intervalo realizado a cada 1h ou 1h30 de estudos, pode proporcionar uma melhor assimilação nos estudos. A recuperação do foco está diretamente ligada ao esvaziamento da cabeça.

Entretanto, é importante ter consciência e força de vontade para proceder a rápida retomada dos estudos. A interrupção realizada de forma equivocada, pode ter efeito desastroso sobre a produtividade de tudo o que se planejou no início do dia. Dessa forma, todo o objetivo proposto fica inviabilizado.

Para que a pausa não comprometa o rendimento dos estudos, é importante que durante esse período não haja o envolvimento com atividades que possam prender a atenção. Televisão, internet, redes sociais, jogos e whatsapp são alguns exemplos.

O impulso construído no início não deve ser desperdiçado aplicando-o em outra tarefa.

O ideal é que as pausas sejam momentos para relaxar, mas que possibilitem a rápida retomada dos estudos. Uma caminhada breve, beber água e fazer alguns alongamentos são algumas opções para serem utilizadas como pausas.

Um rápido cochilo pode ser bastante interessante para algumas pessoas, requerendo, portanto, muita cautela quanto a sua utilização nesses intervalos.

É importante salientar o caráter das pausas: elas não devem ser um momento para diversão, mas sim para proporcionar a recuperação da energia para ter mais foco nos estudos para concurso público.

Música melhora foco nos estudos para concurso 

Apesar de terem pessoas que não conseguem se concentrar com sons, existem aquelas que se apoiam facilmente nas músicas. Se você nunca tentou isso, o ideal é realizar a tentativa com músicas que não possuem letra.

Como a música pode me ajudar?

Se você tem filhos, você já reparou como eles são ligados à música durante o processo de aprendizagem nos primeiros anos de escola? Eles aprendem número, nomes das cores e até o alfabeto cantando e ouvindo música.

O processo de ouvir música exige o desenvolvimento da capacidade de concentração do aluno, de acordo com Aurilene Guerra, mestre em neuropsicologia e professora de Universidade Federal de Pernambuco – UFPE.

Ela explica ainda que o processo começa com a penetração das vibrações sonoras no ouvido interno, provocando movimentos nas células ciliares que variam de acordo com a frequência das ondas. Os estímulos sonoros seguem pelo nervo auditivo até o lobo temporal onde se conecta em circuitos de ida e volta com o hipocampo, uma das áreas ligadas à memória.

Algumas pessoas recorrem a remédios como a ritalina para melhorar a capacidade de concentração, quando a solução para os problemas pode estar em simplesmente ouvir música. E você, já tentou escutar música para estudar? O que achou? Comente abaixo!

FAQs:

Acordar cedo melhora o foco nos estudos?

Sim, pois o ato de acordar cedo funciona como uma forma de enviar um sinal subconsciente ao cérebro no sentido de que trata-se de um dia de trabalho intenso.

Foco Enem o que estudar?

O ideal é reservar ao menos 10 minutos por dia para rascunhar o que se pretende fazer nas horas de estudos que se seguirão.

Música ajuda a ter foco ao estudar?

A música é capaz de enganar nosso cérebro e influenciar nossos hábitos, a forma como percebemos o passar do tempo e ainda pode auxiliar nos estudos.

Devo descansar para manter o foco nos estudos?

Utilize o espaço de uma hora para isso, ou seja, estude durante 50 minutos e descanse 10.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *