Prós e contras de fazer intercâmbio

Para quem nunca saiu do Brasil ou nunca morou longe dos pais, fazer intercâmbio é um desafio enorme, mas só no início. Somente enquanto não se conhece o local, não se domina o idioma… Porém, a recompensa é muito grande.

Fazer intercâmbio para estudar e se especializar no idioma de um país estrangeiro parece ser um ótimo investimento para amadurecimento na vida. Mas também pode ser um grande passo na carreira, seja para adolescentes ou jovens que já frequentam uma universidade no Brasil.

fazer intercambio

Nesse ínterim, um intercâmbio de um ano ou até menos pode encher seu currículo com bagagem cultural, aperfeiçoamento nas habilidades linguísticas, independência, autonomia, além de experiência internacional.

Fiz meu intercâmbio na Alemanha e o pessoal do blog me convidou para dar algumas dicas para um intercâmbio de sucesso! Vamos lá.

As dificuldades iniciais

Através do novo idioma, aprende-se uma nova cultura e novas pessoas, o que nos transforma, abrindo nossa mente para um mundo novo, tornando-nos mais flexíveis, independentes e confiantes. Porém, é necessário mergulhar nessa experiência.

Pessoas que têm medo de sair da zona de conforto acabam não vivenciando o intercâmbio ao máximo, pois é fundamental passar por certas situações “embaraçosas”, em que erramos ao falar no novo idioma ou não entendemos nada em uma roda de conversa.

Isso é perfeitamente normal para uma pessoa que está ainda aprendendo uma nova língua. Por mais difícil que seja, aprender outro idioma é um ganho não só para o currículo mas também uma transformação pessoal.

Vida Acadêmica

Ao se fazer um intercâmbio em outra universidade é interessante buscar disciplinas que não são oferecidas na sua universidade.

Geralmente no exterior (Europa em geral) os cursos de graduação são mais curtos (Engenharia duram em média 3 anos) e possuem menos disciplinas.

É muito bom, pois os alunos conseguem tempo para participar de outros projetos (pesquisa, esportes). Com 5 anos, os alunos obtém o título de mestre.

Já no Brasil, o aluno demora 7 anos considerando que o aluno se formou no tempo certo.

O nível de dificuldade não é diferente e varia com as disciplinas. O calendário de provas muitas vezes é diferente do que estamos acostumados.

Por exemplo, eu fiz intercâmbio na Alemanha e lá é possível fazer provas fora do período escolar. As notas e os créditos das disciplinas também são diferentes, considera-se também o trabalho do aluno fora da universidade, com estudos e exercícios.

Uma disciplina com 2 horas por semana de aula pode valer 6 créditos, pois entende-se que o aluno necessita de 4 horas fora da sala de aula para estudar ou para atividades passadas pelo professor.

Infelizmente tem-se que admitir que, em geral, os laboratórios das universidades no exterior são muito melhores, o que é mais um atrativo para se realizar intercâmbio.

Trabalhar em um laboratório na universidade anfitriã pode ser um diferencial enorme para pessoas que desejam futuramente seguir com uma pós graduação. 

Recepção no intercâmbio

Assim que cheguei na Alemanha fui recebido por um grupo de estudantes que acolhem os estrangeiros. Eles me mostraram a universidade e a cidade, realizando encontros e festas.

Recomendo procurar esses grupos, pois é uma oportunidade muito boa de praticar a língua local e conhecer pessoas do país anfitrião e claro, de outras nacionalidades.  

Nos países na europa e nos Estados Unidos é comum a universidade designar um aluno responsável, que mostra ao estudante estrangeiro a universidade.

Ele também pode ajudar com assuntos mais burocráticos, como matrícula ou registro na cidade, além de locais de aula.

Saúde

Na Alemanha e na maioria dos países é obrigatório um seguro de saúde. O meu seguro foi fornecido pelo programa de intercâmbio.

Cuidar da saúde é super importante porque com o passar do tempo, muitos estudantes ficam deprimidos, com saudade de casa. Casos de ansiedade, frustração por não aprender o idioma ou não ter bom desempenho na universidade.

É necessário, antes de tudo, se conhecer e saber os seus limites. De fato há pessoas mais ligadas à família e a terra natal, o que torna mais difícil a adaptação.

Manter contato com a família, mostrando o dia a dia, conversando sobre as novas experiências é uma maneira de se manter próximo aos familiares e ir “matando” aos poucos a saudade.

O desempenho na univerisdade é importante, há programas que cobram um número mínimo de créditos, dessa forma, procure saber o nível de dificuldade das disciplinas, como são ministradas, sistemas de avaliação e notas.

Não se “atole” de disciplinas, pois tem-se que considerar que serão dadas na língua local e isso pode ser um fator que dificulte o aprendizado.

Além disso, equilibre bem a vida acadêmica com a vida de turista. Claro que você vai querer viajar e se divertir, contanto que isso não atrapalhe nas suas notas!

Financeiro

Economizar é importante, ainda mais quando deseja-se viajar durante as férias ou feriados. É importante manter uma reserva para emergência, pois transferências do Brasil para fora podem demorar.

Uma dica é levar um cartão de crédito internacional para emergências. Tome cuidado para não gastar demais. No início você irá entender melhor quais os seus gastos de rotina para poder se programar para o lazer.

Prós e Contras do Intercâmbio

Vantagens de fazer intercâmbio

Além do “up” que a experiência vai dar em sua carreira que está prestes a se iniciar em quesitos como bagagem cultural e fluência em mais de um idioma, o intercâmbio possibilita que o jovem cresça não só profissionalmente, mas que amadureça como pessoa.

Entretanto, ninguém melhor para dizer quais as vantagens do que alguém que tenha passado por isso.

Maria Júlia de 21 anos ficou um ano em Milão estudando arquitetura e conta o quanto o intercâmbio foi importante,

“Eu acho que o intercâmbio foi um diferencial. Principalmente porque eu desejo trabalhar futuramente em alguma empresa grande. Em uma seleção de emprego acredito que conte bastante ter estudado em uma universidade renomada da Europa”.

Ao mesmo tempo, com uma visão projetada para seu futuro, Maria relata: “Outro aspecto foi o crescimento pessoal. Assim, o que pude ver é que quando estamos viajando nossa mente abre muito, e uma vez aberta não se fecha nunca mais”.

Em seguida, Maria conclui: “Cada coisa por menor que seja, faz diferença na sua vida. Então, seja se virar sozinho para ir a um médico em outro país, seja para aprender e se virar em uma nova língua. Conhecer pessoas de vários lugares diferentes e suas particularidades culturais. Resolver todos os seus problemas sozinho, economizar no supermercado. Economizar em tudo”.

Outra vantagem pode estar relacionada aos países vizinhos. A argentina, por exemplo, é um prato cheio para estudantes brasileiros. Da mesma forma, Doutorado e Mestrados em Portugal também são muito comuns pela facilidade da língua falada.

Veja essa artigo exclusivo sobre como estudar na Argentina.

Desvantagens de fazer intercâmbio

Em primeiro lugar, a desvantagem de estudar fora é se o jovem ainda tiver dúvida do que realmente quer profissionalmente. Assim, esse pode ser um bom atrativo para querer apenas curtir baladas e os amigos.

Sob o mesmo ponto de vista, existe o receio de largar a vida no Brasil por um lugar onde você nunca foi. Por isso, deixar a família e os amigos para trás está entre uma das maiores reclamações de quem decide deixar o Brasil. Afinal, a saudade nos faz repensar bastante se vale a pena continuar morando fora.

Poderia destacar o custo como uma desvantagem também. Mas estudar fora do país é um investimento e não uma desvantagem. Afinal, você voltará com uma bagagem enorme que só trará lucros e sucesso para sua carreira no futuro.

Compensa contratar de agências de intercâmbios?

Inesperadamente se engana quem acredita que para fazer um intercâmbio basta pegar seus materiais e ir para outro país. Por certo, se assim fosse, não teria a necessidade das agências de intercâmbio.

Assim sendo, já posso te adiantar que ter uma assessoria é vital. Afinal, uma agência de intercâmbio poderá te dar uma consultoria educacional, além de:

Ajuda para tirar passaporte
Orientação pré e pós embarque
Auxílio de visto com a empresa parceria do intercâmbio
Busca por residências perto do curso
Consultoria para trabalho
Seguro viagem
Cursos de idioma
Análise do melhor destino de acordo com seu perfil

Como contratar uma agência de intercâmbios

  1. Escolha o destino

    O primeiro passo é saber para onde você quer ir e quanto você tem guardado para investir. Afinal, pode não ser tão barato.

  2. Escolha a agência

    Escolha uma boa agência. Nós recomendamos a Partnerize por ser referência em intercâmbios na América Latina.

  3. Documentação

    Você já possui passaporte e visto? Se não, a agência poderá te auxiliar com toda a documentação.

  4. Acordo

    Mostre para a agência quais são suas pretensões e desejos para definirem juntos qual o melhor destino.

FAQs – Principais perguntas sobre intercâmbios

Com quantos anos pode fazer intercâmbio?

A saber, a partir dos 14 anos as agências de intercâmbio já auxiliam os estudantes durante suas férias escolares. Na maioria dos casos, o intercâmbio tem duração de 2 a 8 semanas e é oferecido a jovens entre 14 e 17 anos de idade.

Qual o melhor país para fazer intercâmbio?

Inegavelmente, os países vizinhos, como Argentina e Chile são ótimas opções. Além de Portugal, na Europa, pela facilidade da língua.

Como fazer intercâmbio sendo pobre

Em suma, as opções mais viáveis para quem tem pouco dinheiro é fazendo serviços, como de babá ou fazendo estágios não remunerados.

É isso aí, pessoal, espero que tenha ajudado. Qualquer dúvida, poste aqui nos comentários que tentamos ajudar mais.

MAIS DICAS
ASSISTA: os melhores vídeos sobre dicas de estudos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.